Archive for maio \31\UTC 2008

Série “Sacaneando o leitor” #03

maio 31, 2008

Em rio de piranha, jacaré lê Pernas Abertas.

Uma câmera na mão, uma janela na cabeça

maio 30, 2008

Alair Gomes poderia ter comprado uma luneta e passado a espiar seus vizinhos trocarem de roupa, saírem do banho esquecendo de fechar a janela, ou em cenas daquele sexo urgente – em que a preocupação em saciar o desejo transforma uma persiana aberta em… apenas uma persiana aberta. Mas não, em seu apartamento no Rio de janeiro, de cara para Ipanema, era muito mais proveitoso olhar para a areia da praia do que para qualquer condomínio residencial às suas costas. E, para nossa sorte, Alair comprou uma câmera fotográfica ao invés da manjada luneta.

O resultado foram fotos e fotos de rapazes conversando, praticando exercícios e tudo o mais que renda belas poses para o olhar voyeurístico do Alair. Essas fotos que já rodaram boa parte do mundo estão de pernas abertas ao público porto-alegrense a partir de hoje, na Usina do Gasômetro. Ficam até dia 13 de julho ali do lado do Guaíba, mas não deixe pra ver na última hora porque a gente sempre esquece né. Principalmente vocês, mulheres, que vivem reclamando que não tem mais homem pelado aqui no Pernas. Mas vale pra todo mundo, nas imagens percebemos a transformação de corpos sarados dos anos 60 e 70 em ícones que remetam à Grécia Antiga. Cabeleiras e bigodões também são marca registrada, trazem às vezes um riso involuntário, mas não deixam de ser documentos de uma época.

E a gente ainda fala mal das marias-gasolina…

maio 29, 2008

Nossa! Esse post quem ia gostar de escrever é o nosso correspondente internacional Douglas Skrotzky – aquele que pintava aqui sempre com umas bizarrices hilárias. Bicho, não tem nem o que escrever, vou colocar na íntegra essa pérola porque vale muito:

Homem afirma que já fez sexo com mais de mil carros

Americano já ‘namorou’ o fusca Herbie e carro do seriado ‘Supermáquina’.
Na internet, ele faz parte de fórum com mais de 500 ‘amantes’ de veículos.

“Não sou doente. Sei que já tive mais de mil namoradas, mas amei cada uma delas”. Aos 57 anos, o americano Edward Smith se considera, na verdade, um romântico. A diferença é que, em vez de mulheres, Smith tem o hábito de namorar carros.

“Eu aprecio a beleza, e tenho uma relação diferente com a beleza dos automóveis… Chego a um ponto onde essa apreciação vira uma expressão de amor”, explica Smith, atualmente ‘noivo’ de um fusca branco batizado de ‘Baunilha’.

Em entrevista ao jornal britânico ‘Telegraph’, ele diz que sua primeira experiência sexual com um carro foi aos 15 anos. Desde então, ele nunca mais se sentiu atraído por mulheres ou homens.

Curiosamente, assim como a maioria das pessoas, Smith tende a ter mais interesse sexual em celebridades. No caso, ele afirma já ter transado com ‘Herbie’, da série ‘Se meu fusca falasse’, e ‘K.I.T.T.’, mais conhecida como ‘Supermáquina’.

Ele não esconde o fato de nunca ter sido ‘fiel’ aos carros que namora. Afirma, inclusive, que sua experiência sexual mais intensa foi com um helicóptero do seriado ‘Águia de Fogo’, dos anos 80.

Smith diz que não está sozinho em seu fetiche. Na internet, ele encontrou uma comunidade que reúne mais de 500 “amantes de carros”. “É mais comum do que a maioria das pessoas imagina”, diz.

fonte: Globo

Fui lesado!

maio 28, 2008

Fui lá eu abrir o pacote com uns livros que encomendei há exatamente um mês, feliz que era um pinto no lixo. Tinha comprado três livros que não encontrava por essas bandas, e, carinhosamente lembrando dos leitores do Pernas Abertas, acrecentei mais um que apareceu no site vendedor por casualidade. É essa coisa que você vê aí em cima, um livro do putanheiro Bukowski, ilustrado pelo Crumb. Um texto que não foi traduzido por essas terras, exclusivo pra esses calejados leitores, seria uma preza das melhores. E ainda com o plus a mais de ter a caneta lasciva de Robert Crumb. Botei no carrinho virtual e fui feliz.

Resultado: acabo de descobrir que paguei dez dolares por seis – 06, sim, meia dúzia – de páginas em offset de Bukowski, e cinco desenhos preto e branco – tá, o da capa é colorido – de Crumb. Veja você mesmo a finurinha disso, eles com certeza imprimiram numa máquina de xerox:

Mas enfim, foda-se o tufo! O que continua importando é que a história é do caralho; e, como bom pirata, estarei socializando o continho em alguns dias nessas telas. É nóis!

Série “Sacaneando o leitor” #02

maio 17, 2008

Desligue o computador e vá assistir MTV.

Sexo entre aviões

maio 16, 2008

Porque os aviões também fazem.

Jimi Hendrix Sexperience II

maio 16, 2008

Muito difícil acreditar na autenticidade desse filme supostamente estrelado por Jimi Hendrix. Vamos começar do começo: de onde veio isso? Dizem que foi comprado por um colecionador de tranqueiras sobre rock, no meio de um baú com várias outras bugigangas. Quem é este colecionador? Onde comprou isso? Por que ele acha que isso ficou quarenta anos sem ser visto? Nada disso é respondido por este lançamento da Vivid.

A estratégia da produtora fui fazer um documentário de média-metragem – uns 40 minutos. Ao longo desse tempo dua ex-groupies, que já tinham estado com o guitarrista em outros carnavais, vão comentando suas impressões sobre o filme. Na verdade, é bastante perceptível que uma delas, Cynthia Plastercast, já tinha sido muito bem preparada para convencer a outra a concordar que o ‘long purple dick’ era sim de Hendrix. Além disso Cynthia fazia próteses de pirocas de rockeiros famosos(!), e compara a réplica que fez de Hendrix ao que é visto no película:

Agora, saber se essa prótese é mesmo quente, ou se foi feita para o filme, já é outra história. Uma história, por sinal, não contada na fita. Mesmo se fosse quente, já seria difícil comparar, visto que não se tem uma escala, é só aproximar um pouco da tela que a piroca fica maior, ou distanciar um pouco pra ficar menor. Sem fundamento.

Outra coisa, o filme é claramente uma produção pornô, e não uma filmagem de alguém fazendo sexo. Isso faz diferença? Vixi, é claro que faz. As meninas se esforçam para deixar a língua pra fora quando chupam o ator, demonstrando preocupação em deixar isso visível para a câmera. O ator parece um morto-vivo enquanto elas estão em cima dele, o foco são mesmo elas, se vê que o cara não está ali pra se divertir. Enfim, é um homem alugando o caralho para uma filmagem.

Ele é robótico até quando mete a cara no mato, e também se esforça pra deixar a língua visível. O importante não era chupar a mina, era que a câmera captasse com perfeição o toque:

Vejam que o cara usava uma bandana. Para as ex-groupies, isso é mais uma prova de que era Jimi Hendrix, bem como alguns anéis na mão do cara. Não vivi naquela época, mas, pelo que dá pra perceber vendo fotos e vídeos daqueles tempos, é que muitos homens usavam bandanas e jóias. Definitivamente, esse não era um previlégio de Hendrix.

Mas o pior é quando as duas apelam para memória, do tipo: “nossa, essa língua só pode ser dele, é impossível esquecer”. Que papinho brabo ein, lembrar da língua dum cara com quem transou a 40 anos atrás, só se fosse uma língua muito fora do comum – coisa que não se vê no filme. E não esqueçam da famosa frase: “década de 60: se você lembra de alguma coisa, é porque não esteve lá”.

Últimas observações: 1)a capa do DVD é uma montagem, não é o que se vê no filme – ou seja, se tenta vender algo que não está lá. 2) o filme diz que foi localizado o possível cara que gravou toda a função, mas não conseguiu fazer com que ele concordasse em falar, e também não pode divulgar seu nome por questões legais – ora, isso é uma anti-informação, só quer dizer que se saiu de nada e se chegou a coisa nenhuma: pura cascata. 3) um aviso enorme encerra a produção da Vivid, dizendo, em resumo, que eles não tem nada que ver com o que foi dito no documentário, e que se é verdade ou não é pura responsabilidade das entrevistadas – pra que tanta preocupação? Qual o tamanho da cara-de-pau de alguém que vende um filme chamado “Fita de sexo de Jimi Hendrix” e, só no final, diz que não tem nada a ver com o fato de ser ou não um filme do guitarrista?

Não vai ser dessa vez que o mundo verá um filme pornô de Hendrix. Também nem precisa: o que ele fazia com sua fender stratocaster não era apenas sexo, era sexo divino.