Archive for novembro \30\UTC 2007

Jogado aos seus pés…

novembro 30, 2007

feet150.jpg

Não, não é podofilia – pelo menos, não no Brasil (em Portugal é). Até por que aqui muita gente confundiria ‘podófilo’ com ‘pedófilo’…sim, as duas coisas remetem a um certo tipo de atração, mas uma é ilegal e criminosa, enquanto a outra deixa a pessoa jogada aos pés que mais lhe excitam. Literalmente.

Podolatria é como se chama aquele famoso fetiche que algumas pessoas tem por pés. O caso mais comum é de homens que não resistem a um pezinho feminino – eles fazem 70% desse público. Mas existem mulheres podólatras sim! E não pense que a fixação é só em pés lindinhos, com as unhas pintadinhas de branco ou vermelho, dentro dum salto alto…há gente que gosta de pés sujo, limpos, com unhas compridas, curtas, pés grandes, pequenos…ou seja, pés para todos os gostos.
Há uma certa inclinação de vários podólatras homens heterossexuais (acho que os nossos amados gays prefeririam um pé masculino…ou não?) a gostarem de pés pequenos e bem cuidados – não necessariamente pintados – em sapatos que exponham apenas um pouco dos dedos….deixando aquele gostinho de ‘quero mais’. Na China, a história do tal ‘pé pequeno’ era tão forte na cultura que as meninas, desde criança, amarravam seus pés com faixas para que eles não crecessem.Resultado: pés deformados, mas pequenos. Ah, e o sapato feminino era um tipo de fetiche também – os homens o utilizavam como ‘copinho’ para bebidas alcoólicas!

A excitação de um podólatra vem dos pés ‘naturais’ ou seja, você não precisa estar necessariamente fazendo malabarismos sexuais com eles. Ver um pé que o agrade é o suficiente para que o nosso amigo ou amiga fique animadinho, mas se ele puder tocar, lamber, cheirar, beijar ou massagear aquele pé, melhor ainda. Se ganhar um footjob (palavra em inglês para mastubação com os pés), maravilhoso!

Então, se um dia você estiver com aquele carinha, ou aquela mocinha, que sempre repara quando você trocou de sapato, quando fez o pé, quando comprou meia nova, e que quando fala com você olha mais para os seus pés do que para qualquer outras parte sexual mais óbvia, incluíndo o seu rosto (quer algo mais sexual que o trio olhos-boca-nariz?)…cuidado! Essa pessoa pode estar prestes a cair aos seus pés. Literalmente.

Dois sacos de pipoca

novembro 29, 2007

Quatrocentos e vinte segundos. Só sete ligeiros minutos. Não sei direito, mas deve ser o tempo para fazer dois sacos de pipoca de microondas. Esse é o período de intervalo necessário para que Sarah, uma britânica de 24 anos, tenha DOIS orgasmos (!!!). Pô, diga aí, eu nem sou do Rio Grande do Sul, mas essa inglesinha é daquelas que a gauchada não se aguentaria e soltaria o famoso “Baahhhh” sem titubear, hein?
A mulher, que sofre da Síndrome de Excitação Sexual Persistente, com essa média, pasme, amigo leitor, tem nada mais nada menos que 200 orgasmos por dia. Fale a verdade, a nossa personagem de hoje, desse jeito, causa uma bela de uma inveja nas “Marias” da vida, não causa não?
Para se ter uma idéia, ela diz chegar ao clímax com quase tudo, desde o barulho de um trem, o som de um secador de cabelo ou até mesmo o volume elevado de uma música qualquer. Imagine só, a britânica mencionou ter tido vários orgasmos durante uma pesquisa de opinião. Na hora, segundo ela, rolou até uns gemidos no meio da rua, frente a frente com a entrevistadora. Dá medir o tamanho do constrangimento da cidadã?
O negócio é muito louco: tem mulher que sofre, independente do motivo, para ter um orgasminho qualquer (se é que eles podem ser considerados como quaisquer), e têm umas outras que involuntariamente são a pura explosão!!! Eu não consigo nem imaginar direito, mas pensa só. Deve ser muito frustante para o parceiro da tal de Sarah: o tic-tac de um relógio pode tirar o algo mais da mulher dele do mesmo jeito que o próprio dando, digamos, o melhor de si. Não sei se é assim, mas, se for no mínimo parecido com isso, o troço é cruel, muito cruel!
E, se a história é triste para o companheiro de Sarah, o que dirá para a própria? Não estou na pele dela, mas não deve ser fácil viver assim. Os médicos, conforme ela, não conseguem provar cientificamente essa síndrome, mas, de todo jeito, ela está se tratando e tentando descobrir algo sobre o “problema”. Pô… só sei de uma coisa: eu estou na torcida por ela…

A(o)s reprimido(a)s

novembro 28, 2007

Tudo é teu. O teu corpo é teu. Toque-se. Sinta os cheiros que existem nele. Saberia descrevê-lo? Desenhá-lo? O perfume único que é teu. O gosto único que é teu. Aproveite a extensão dos teus 1,50 ou 1,80m. A cor dos teus olhos. Quando ri? Quando chora? Quando quer mais?

Quem é tu? Saberia responder essa questão? É necessário descobrir nossas qualidades para poder colocá-las em ação. Só se conhecendo e reconhecendo-se infinito poderemos entender o outro.

Toque-@. Beije-@. Lamba-@. Sinta todos perfumes. Eles são únicos. Queira ouvir tudo. Da repiração aos medos, passando pelos segredos e deliciando-se com os desejos. Sinta-se súdito e rei. Siga teus instintos. Aja de acordo com a tua vontade. Conheça-te e nunca mais consiguirá pensar o mal para ninguém. Divida-se e multiplique-se dentro de ti. Descubra-se caleidoscópio com o outro. Permita que sempre nasçam cores novas. Dê chance a tua felicidade. Apenas viveremos a plenitude do que somos se conhecermos a natureza e a origem do que somos. Não tenha medo. Consegue sentir a parcela de deus presente em teu íntimo?

Como foi escrito em um templo consagrado a Apolo, em Delfos, na Grécia Antiga: “Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o Universo e os Deuses”. Outra frase também de Sócrates “Tendo o mínimo de desejos, chega-se mais perto dos deuses”. Ouse. A vida é agora.

Beija eu – Marisa Monte

Seja eu
Seja eu
Deixa que eu seja eu
E aceita
O que seja seu
Então deita e aceita eu

Molha eu
Seca eu
Deixa que eu seja o céu
E receba
O que seja seu
Anoiteça e amanheça eu

Beija eu
Beija eu
Beija eu, me beija
Deixa
O que seja ser

Então beba e receba
Meu corpo no seu
Corpo eu, no meu corpo
Deixa
Eu me deixo
Anoiteça e amanheça

Vagina Nova

novembro 27, 2007

Lendo o segundo caderno de um Jornal, sobre cirurgias plásticas, me lembrei da matéria do Lucchese sobre mulheres que fazem cirurgias estéticas na vagina. Eu li, mas não dei muita atenção. Agora dei um stop no assunto: Imagina acordar com uma vagina nova?!!! Não, imagina o antes! A gente vai no consultório, fala com o médico, apresenta os motivos de tal mudança, que devem variar entre :

  • Eu acho a minha vagina feia!
  • Eu tenho trauma, acho que tenho menos sexo oral porque os caras não acham a minha passarinha bonita
  • A minha não é igual às outras.
  • Eu confesso, dei uma espiada na Playboy do mês passado, e amei a vagina da Sandra do BB!O senhor faz ela para mim?!!
  • A minha vagina caiu doutor!!!
  • Eu não sei bem porquê, mas sei que tou dividida entre uma vagina tipo coração ou tipo pêra.

E depois, tem outra coisa gente. Se você é dessas mulheres que, como eu, fica vermelha ao cruzar com seu ginecologista fora do consultório – o meu ,frequentava a mesma academia que eu, e ginecologista para mim, tu só vê naquela sala branca, não deviam nem viver na mesma cidade que a gente – , imagina, seria mais um homem que por motivos profissionais você teria que abrir as pernas sem a menor vontade e sem prazer algum!!

Tá, mas voltando a perspetiva da mulherada que decide mudar de vagina. Pensa só, tu acorda enfaixada lá em baixo, com dores, comichões e muito xixi ( certo!!!), e pior, sem poder ver a maldita vagina!!!

Mas, tudo bem, os dias passam, e chega finalmente o dia de poder olhar, com orgulho, a nova vagina. Aí o que acontece? Senta e bota um espelho na frente? Fecha os olhos, e abre devagar?? Imagina o panico da mulher? É um momento dificílimo! Roubando cena de futebol, é quase um penalti em final de campeonato! Será que ficou como ela sonhou? E se a mulher tiver marido/namorado, como é que faz para apresentar a nova vagina? Pô, se o cara gostava da outra vagina? Pior, se ele não notar, que tem uma vagina nova? E se ela cortou uns pontos nervosos, tri importantes, o prazer nunca mais?? Vagina nova e frigida?

A arte de Pompoar

novembro 22, 2007

Pompoar é a habilidade de controlar a contração e o relaxamento da musculatura circunvaginal. Ao aprender a técnica, a mulher consegue controlar os três aneis circunvaginais separadamente, podendo incrementar o ato sexual apenas com o movimento de seus músculos. Embora para nós, ocidentais atrasadas, a técnica seja algo ainda muito pouco explorado, em países como a Índia, ela é passada de mãe para filha, com o objetivo de aumentar o prazer sexual da moça e de seu parceiro.

Existem cursos que ensinam a chamada “malhação íntima”. Mas existem técnicas para se fazer em casa, para quem não achou uma boa professora ou quer tentar primeiro sem gastar nada. Uma delas é a de contrair e soltar várias vezes seguidas os músculos da região ao longo do dia, enquanto se escova os dentes, dirige, assiste à aula, etc. Claro, há de se ter o cuidado de contrair apenas os músculos da vagina – se você tensionar junto a musculatura do ânus, não está fazendo direito. Para ter certeza de qual músculo exercitar, enquanto estiver fazendo xixi, tente interrompê-lo no meio. Esse músculo que interrompe o fluxo é o mesmo exercitado no pompoarismo. Você pode também, durante o banho, introduzir um dedo na vagina e tentar apertá-lo – com o tempo, o movimento torna-se natural.

Para as que desejam ir mais longe, existem dois objetos usados nos exercícios de pompoarismo: o vibrador e o ben-wa. O vibrador dispensa apresentações, se você não sabe o que é, boa wiki-busca. O ben-wa são as famosas ‘bolinhas tailandesas’ – um ou mais pares de esferas auto-vibratórias ligadas por um fio. De acordo com a pompoarista Stella Alves, elas são usadas para “treinar os movimentos de sucção, expulsão e fortalecimento dos músculos circunvaginais. Os exercícios ajudarão você a identificar os três feixes de músculos do canal vaginal.” Mas atenção: não compre qualquer ben-wa vagabundo! As bolinhas devem ter o peso certo e uma distância correta entre elas, além de serem de material atóxico!

Ben-wa: as bolinhas que ajudam você na malhação íntima

Stella também contou, durante uma entrevista, alguns dos movimentos que o pompoarismo possibilita. Pessoalmente, me parecem beeem interessantes…veja:
Revirginar: é contrair com tanta força o esfíncter vaginal, que é o músculo de entrada da vagina, o que impede ou dificulta muito a penetração do pênis/vibrador, possibilitando simular virgindade.
Ordenhar: é contrair individualmente os anéis circunvaginais de forma sequêncial, pressionando o pênis/vibrador, começando da entrada da vagina em direção ao útero, com força média.
Chupitar: é imitar com a vagina a movimentação que os bebês fazem com a boca quando estão mamando ou usando a chupeta.
Sugar: é chupar o pênis/vibrador com a vagina.
Massagear: o pênis/vibrador é massageado nas intensidades fraca, média ou forte.
Morder: é a pratica utilizada freqüentemente para retardar o orgasmo do homem. Consiste em contrair fortemente o anel circunvaginal que circunda o pescocinho logo abaixo da glande do pênis.
Guilhotina: é uma “mordida” com muita força.
Algemar ou agarrar: é contrair com tal força a musculatura vaginal, impedindo a saída do pênis/vibrador.
Expulsar: é quando a vagina expele o pênis, vibrador, banana, pepino, etc.
[leia toda a entrevista com Stella Alves aqui: GAS-BH]

Além das vantagens na vida seuxal, o pompoarismo fortalece os músculos pélvicos, evitando a queda de bexiga e de útero e a incontinência unrinária. Em algumas, pode até diminuir a cólica menstrual.

A ‘malhação íntima’ é algo que as mulheres deveriam entrar mais em contato. Não só para aproveitarem o sexo melhor mas para se conhecerem melhor. Muitas ainda sentem nojo de suas vulvas e vaginas, mal sabem o que tem entre as pernas. Não sabem como se dar prazer, e esperam que seus parceir@s advinhem, tornado a vida sexual uma novela cheia de cobranças, insatisfações e dores de cabeça. O pompoarismo traz benefícios físicos, psicológicos e sexuais, e é uma coisa que pode ser praticada por qualquer mulher. Basta força de vontade e auto-conhecimento.

Para você fazer em casa

Há vários profissionais que estudam e auxiliam na prática do pompoarismo. O ideal, antes de começar sua prática, é visitar seu ginecologista. Para desenvolver a técnicas em casa, há livros e outros materiais disponíveis. Stella Alves é autora de vários livros sobre o tema, desde títulos mais introdutórios até cursos completos. Clique aqui e entre em contato por email para ser infomada com total discrição sobre esses produtos.

Invista no seu prazer sem vergonha de ser feliz!

Homens sensíveis compram revistas

novembro 21, 2007

Por que será que uma revista gay tem que ter homem pelado? E por que revistas masculinas também? Porque as pessoas que compram gostam – se excitam. Talvez nem só por isso, mas também não estou aqui para dar todas as respostas.

De qualquer forma, fiquei feliz com a compra que fiz da revista Júnior. Uma verdadeira novidade. Uma revista gay sem putaria deve ser algo comemorado no mercado editorial brasileiro, tão reprodutor de esteriótipos. Um dos aspectos que eu mais gostei foi o tratamento antenado das matérias. Qualquer pessoa pode lê-las sem perceber que elas pertencem a uma publicação segmentada. Há material para quem gosta de ler sobre moda, cuidados com o corpo, mas também sobre as novas preocupações do homem moderno.

Sei que, quando falo em homem moderno, restrinjo o público masculino a um homem com um bom poder aquisitivo e aberto a novidades. Mas, vá lá, os tradicionalmente conhecidos por atitudes mais, digamos, conservadoras – para não chamar de primitivas – ficam mesmo é com as revistas de mulher/homem pelada (o) e jamais irão se indagar sobre novas posturas dentro dos seus relacionamentos, por exemplo.

A mudança comportamental do homem moderno tem reflexo no surgimento dessas revistas. Elas vão se direcionar mais aos metrosexuais, ok, mas vão também dar visibilidade a um novo tipo de postura. É o homem se aproximando das melhores qualidades femininas como a flexibilidade, a capacidade de planejamento pensando não só em si, e, especialmente, uma postura diferente dentro da nova estrutura familiar que surge no nosso tempo. Por isso, acredito que o trabalho não só da Júnior, mas de todas essas novas publicações segmentadas, deve ser aplaudido, por tratarem de forma menos homogênea de assuntos tão complexos como o homem contemporâneo que busca reformular sua identidade.

Ah… esse gosta das magrelas!!!

novembro 20, 2007

Estranho. Estanho não, bizarro. É assim que podemos resumir um episódio vivido por um britânico de hábitos, no mínino, excêntricos. Imagine só: o cara, morador de um abrigo público para sem-teto localizado em Ayr, na Escócia, devia estar com uns problemas muito sérios e foi flagrado “transando” com uma bicicleta. Pois é… o cidadão, de 51 anos, foi denunciado depois que as faxineiras do local o viram “trocando” carícias com uma “magrela” e chamaram os policiais.

“Elas [as faxineiras] bateram na porta do quarto diversas vezes e não houve resposta. Elas usaram a chave-mestra para abrir a porta e se depararam com o acusado [sim, ele foi acusado e condenado – aguarde] vestindo apenas uma camiseta branca, nu da cintura para baixo”, disse o promotor Gail Davidson, que posteriormente trabalhou no caso do pobre infeliz. E adivinha qual foi a cena que sucedeu a da calça meia-bunda? “O acusado estava mexendo os quadris para frente e para trás simulando sexo.” Uhu!

Mas, agora, prepare-se para o pior, amigo leitor: o tal do escocês foi condenado a três anos de prisão em regime aberto por essa história aí. E… não pense que é só isso. A trama de hoje não acaba aqui: o cara também teve seu nome colocado no cadastro de pessoas condenadas por crimes sexuais – que inclui, por exemplo, estupradores e pedófilos – pelos mesmos três anos. Eu não sou um cara muito adepto de ter pena de ninguém, mas olhe só o que o “tarado por bicicletas” fez durante o julgamento: admitiu ter agido de maneira inapropriada, simulado sexo e violado a paz com uma ofensa sexual. Pô, dá para acreditar? E não é que existe mesmo um cidadãos desses? :p