Archive for outubro \28\UTC 2007

“Marias”, não vão perder essa, hein?

outubro 28, 2007

Atenção, “Marias”!!! Candidatem-se!!! Uma sexshop em Santiago, no Chile, está promovendo um evento, digamos, perfeito para quem está tendo uns probleminhas em casa e é adepta daquela famosa fingida na Hora H… Na verdade, é um concurso para escolher a mulher mais talentosa em ter o orgasmo fake mais crível e convincente possível.
Olha, não pense você que é tarefa fácil. As candidatas terão um cenário pré-estabelecido e apenas três minutos para mostrarem o serviço. Mas… não se preocupem. A organização da prova garante: além da imaginação, aquela “auto-estimulação” também vale.
E, perguntará você, potencial candidata: “Qual é a premiação desse troço?” Pois é… duas passagens aéreas para Buenos Aires (Argentina), para assistir ao Primeiro Festival de Cinema Erótico. Meu, olha lá: o evento, que ocorrerá em novembro, contará com nomes de peso da Indústria!!! E não é só… Além do passeio, mais 400 dólares em brinquedinhos para adultos são oferecidos…

E aí, se interessou? Se sim, não perde tempo e já começa o treinamento dos gritinhos… não dá para envengonhar as brasileiras, né? :p

Ela riu da minha cueca

outubro 27, 2007

Ela riu da minha cueca. Ela riu da minha cueca porque não era da moda. Ela riu do meu cabelo. Eu tinha acabado de acordar e ela riu do cabelo. Riu porque o gel se desconfigurou durante a noite e me deixou com um topete torto. Eu nem conhecia aquela mulher e ela estava ali, em pé, na minha frente, no meu quarto, rindo da minha cara. No início fiquei encabulado, me acordei com aquela risada diabólica, ainda meio tonto não entendia a situação. Quando finalmente compreendi, vi que não havia motivos para vergonha. Se todos têm cus e sovacos, por que uns se sentem melhor do que os outros?

Ri dela também. Ri porque na noite anterior ela era bem mais bonita. Suas unhas – vermelhas de luxúria – como ela própria declarou na noite passada, estavam ao lado do meu despertador. Reconheci, jogados no chão, aqueles peitos que eu desejei durante horas no bar. Agora, ao lado da cama, não passavam de esponjas no bojo de um sutiã velho. Ri do seus cabelo loiro-oxigenado que não combinava com os seus pentelhos negros. Mas me lembrei que não há motivos para rir do outro porque, se todos têm cus e sovacos, como pode alguém se sentir melhor do que o outro?

***

O day after pode ser assim… tem gente que gosta de correr riscos, de acordar e, ainda antes de abrir os olhos, tentar lembrar da noite anterior e se perguntar “quem será que está no meu lado hoje?”. Cada um com as suas preferências, só não vale rir d@ pinta no outro dia de manhã. Ria de si mesmo, é mais divertido rir de si consigo!

Cenas da vida privada

outubro 27, 2007

Ashley Blue

“Eu quero uma casa no campo, onde eu possa ficar no tamanho da paz”. Quando tudo parece fora de ordem, essa canção lembra que ainda é possível construir o seu próprio refúgio. E se ele for construido ao lado de alguém que amamos, tanto melhor. É o que acontece com o casal Oriana Small e Dave Naz. Oriana é atriz e diretora pornô, conhecida no meio artístico como Ashley Blue. Enquanto Dave também trabalha na indústria do erótico, mas como fotógrafo. Os dois estão juntos há sei lá quanto tempo, e vivem uma vida de casal realmente apaixonada. Assistem a filmes cabeça, vão a shows de rock e Dave é fissurado por artes plásticas, assim como Oriana também pinta quadros.

E o melhor de tudo é que Oriana mantém um blog recheado de fotos onde podemos dar uma de voyer no cotidiano do casal. São instantêneos de uma vida simples, onde se vêem cenas dos seus animais de estimação brigando por atenção, de como foi divertido ir ao show do Morrisey ou do Interpol, e até de como é bom simplesmente ficar em casa. Sem vergonha nenhuma de ser feliz, ela também posta imagens das trepadas com Dave e de visitas de outras colegas de trabalho ao pacato lar. E ainda tem momentos impagáveis, como a tentativa de fazer bolhas com a porra do homem amado, ou ainda a tara de seu cachorro por um absorvente usado.

Não deixem de ver. É realmente uma ode ao amor, à paz e ao sexo: http://www.davenaz.com/ashleyblue/.

“Maria”

outubro 23, 2007

Gurias solteiras! Juntem as moedas, comprem uma garrafa de Champagne e comemorem! Se vocês culpavam sua solteirice pela falta de sexo, e tinham a certeza que metade do planeta tava bem servido menos vocês, bebam de novo!

Eu descobri. Não ta fácil para ninguém!! Correndo de risco de ser fofoqueira por explorar a vida dos meus amigos, deixem me partilhar com vocês o desabafo de uma amiga casada há mais de cinco anos. “ – Só queria trair levemente…um bom beijo na boca…”

“Maria” não consegue arrancar do marido um básico beijo na boca, e a transa pode demorar 3 longas semanas para chegar! Para piorar o quadro, quando acontece, a coitada já sabe como vai começar, por onde vai passar e é como um cometa de tão rápido!! Ou seja, é como se os caras encontrassem o mapa da mina, ou uma formula matemática, e não quisessem se dar ao trabalho de experimentar outra coisa. É…deve ser muito cansativo, coitados…

Agora a “Maria” que sente apenas 5% do todo prazer que poderia ter, pode ser chamada de vagabunda se ir atrás dos outros 95% ?!?! Nem é preciso chamar um advogado para responder a essa questão de direito, né guris?

Dia do Sexo

outubro 22, 2007

O governador do estado russo de Ulyanovsk, Sergei Morozov, instituiu o “Dia do Sexo” – 12 de setembro – para contornar a queda da taxa de natalidade. Nesse dia, os casais não precisam ir trabalhar. O que se espera deles é que procriem.

Vários prêmios são oferecidos aos bebês que nascerem exatamente nove meses após o “Dia do Sexo”, em 12 de junho, no dia nacional da Rússia, entre eles carros e tvs. O presidente Vladimir Putin também anunciou incentivos para que os casais tenham mais filhos: o segundo e o terceiro herdeiros podem ganhar US$ 9 mil (mais de R$ 17 mil) em auxílios para educação ou compra da casa própria. A iniciativa parece estar surtindo efeito, calcula-se uma aumento na taxa de natalidade de 4,5% no último ano.

O que pode acontecer é a expectativa ser tamanha e a ansiedade impedir que se chegue às vias de fato. Daí, é esperar o outro ano para que o casal possa concorrer aos prêmios. Mas, caso tudo der certo e mesmo assim a cegonha não contemplar o casal, ninguém vai reclamar de um dia de folga destinado exclusivamente a fazer sexo.

Agora é que são elas de novo…

outubro 19, 2007

E não é que elas voltaram? Dessa vez, amigo leitor, as famosas e elegantes nádegas, como se estivessem em um momento de estrelato meteórico (quase igual a um ex-BBB), ingressaram no universo “mágico” da publicidade. As Bundas, por incrível que pareça, protagonizam uma campanha da empresa canadense de transporte Webcargo.
O legal e bem criativo é o fato de as personagens da história contada no anúncio serem traseiros, e nada mais. Eles aparecem como funcionários de um escritório que estão preocupados com a demora na entrega de suas respectivas encomendas. Stress e aquela conhecida tensãozinha figuram no ambiente de trabalho. As nádegas, então, como ninguém é de ferro, apelam e vão descarregar o problema dando, por exemplo, uma paradinha para fumar (cada um dá uma diminuída na tensão de seu jeito… eu prefiro os meios, digamos, mais saudáveis). E assim segue. A solução do problema é, e só poderia ser, então, a Webcargo!!! Graças a ela e aos seus excelentes serviços, os pacotes chegam a seu destino e é só alegria. As redondas e simpátivas nádegas são salvas e libertadas da preocupação!!! E, para você ter uma idéia, olha só a mensagem que surge no fim da publicidade: “If you need it, you’ll save yours too” (se você precisasse, você iria salvar a sua também). Pois é. Eu, um cara reconhecidamente prevenido, já até anotei o contato da empresa…:p

bunda-preocupada.jpg

bunda-fumando.jpg

Quando “ela” não vem…

outubro 18, 2007

modess.jpg

Todas as mulheres falam mal dela. Muitas acham a acham nojenta. Vários homens acham uma porcaria, que só deixa as namoradas de mal humor e sexualmente inaproveitáveis. Outro não estão nem aí – mandam bala, com ou sem ela. Isso tudo quando ela vem, naquele período especial do mês.

O problema é quando ela não vem.

Você sabe quem é ela – é a fase vermelha do mês, aquela por qual todas as mulheres saudáveis, em idade reprodutiva e não-grávidas passam. Menstruação. Ih, algumas de vocês fizeram cara feia, eca! Não pensem assim – é bom quando ela vem. Acredite, quando estiver na fronteira da menopausa você saberá o valor que aqueles cinco dias chatinhos têm.

Você acabou sua cartela de anticoncepcional na quinta. Ou na sexta. Ou, se não toma pílula, sabe que de acordo com o seu calendário, é quando ela está para chegar. A vontade de comer doces triplica. Ou peitos doem, ou dá aquela cólica que dói na frente (na barriga) e dói atrás (nas costas). Fica irritada ou deprimida. Para alguma, dá até uma vontade subversiva de transar enlouquecidamente. Seja qual for o seu sintoma, você espera por ela.

Passa o dia. Chega o Sábado. Putz, hoje ela chega. Que merda! Você já coloca ali um absorvente, esperando pelas primeira gotas. Eesquece. Esquece? Sim, ela vem no fim da tarde.

Chega a noite. Você vai no banheiro fazer xixi e espera ver o ‘modess’ já com algum sinal. Nada. Branquinho e novinho. Suspira. Olha a água da privada, pra ver se nenhuma gotinha caiu. Neca. Puxa a descarga, escova os dentes e vai dormir – durante a noite, quando você estiver mais relxada, ela vem.

A noite passa, o dia chega, você abre os olhos e precisa – como 95% das mulheres – fazer sua visita matinal ao banheiro. Lava o rosto, abaixa as calcinha, certa que está lá. Você até sentiu aquele quentinho chato, que indica a presença dela. Está até meio úmido no meio da pernas e não, você não teve um sonho molhado. Olha o absorvente – nada. Vazio vazio vazio. Nem um borrão. Aí minha amiga, o seu estômago se revira dentro da barriga.

‘Ai meu deus! E agora? Sei, estou grávida! Só pode ser isso! Parabéns, vou aniquilar minha vida, nem consegui terminar a faculdade! Devia ter cuidado a camisinha! Não devia ter atraso uma hora a pílula da quarta retrasada! AI! Não, deus, por favor, um tumor mas não um filho! Que os meus pais vão pensar!? Mas o fulaninho vai ter que assumir, não quero nem saber, o nenê é dele também….Tá, não, é besteira, ela vem. Vem com certeza, de tarde.’

A tarde chega, você finge se acalmar, mas está uma pilha de nervos. Checa de quinze em quinze minutos, seja averiguando o ‘modess’, seja tentando sentir ela descendo. Nada. Você já está quase indo para a farmácia mais próxima adquirir um GravTest, ver a faixa que diz ‘sim’ aparecer e perguntar para alguma amiga [verdadeira e de confiança] se ela conhece uma clínica de aborto. Ou se tem alguma passagem pro Japão, um identidade falsa, um quartinho nos fundos para alugar.
Quanto mais você se preocupa, mais ela demora. Você se lembra de todas as vezes que desejou nunca mais menstruar e pensa que se tivesse sabido jamais desejaria tal coisa. Ainda bem que sempre tem aquela hora que você senta derrotada na frente da tevê, e se distrai rindo das Video-Cassetadas. Tá, pode ser assistindo algum filme em outro canal. Naquela hora que você não está com todas as emoções voltadas para o seu tímido útero, ele decide dar sinal de vida. E à noite, antes de ir tomar seu banho, você vê ali a prova de que tudo está bem. O vermelho negativo no teste. É, o filho vai ter que esperar mais alguns anos.

Quase todas as mulheres de vida sexual ativa já passaram por uma ou várias situações parecidas com essa. Essas situações nos fazem lembrar com é importante se proteger, se garantir, para poder curtir o sexo com o todo o prazer, sem um milhão de preocupações. E também como é importante saber que o ‘ciclo’ está em dia, pois significa que pelo menos nesse aspecto estamos saudáveis, ou pelo menos, sem um bebê indesejado.

Sim, nós continuaremos maldizendo e xingando o nosso ‘sangue mensal’. Sim, muitas continuarão achando nojento, outras continuarão sentindo vergonha, outras continuarão vendo aquilo como parte do ciclo sagrado de seus corpos. Não importa. O importante, afinal, é que “ela” venha.